A taxa de desemprego no Brasil é uma farsa, como diz Bolsonaro?

Por em 12 de novembro de 2018 , atualizado em 13 de novembro de 2018

Se alguém perguntar qual a taxa de crescimento da Venezuela nos últimos 5 anos, uma resposta possível é a seguinte: “Sei lá, provavelmente negativa, afinal a situação está tão ruim por lá que a população está fugindo a pé para Roraima!”.

Não haveria como ser mais específico que isso. O governo venezuelano simplesmente parou de divulgar várias estatísticas sobre a sua economia.

Também por falta de estatísticas confiáveis não é possível afirmar com precisão quão ruim foi a situação na Argentina durante o governo da sra. Kirchner.

Governos de tendência autoritária que fracassam na economia têm esse hábito de fazer as estatísticas econômicas desaparecerem.

É preocupante então que, antes até de tomar posse, o presidente eleito Jair Bolsonaro tenha resmungado incoerentemente sobre a metodologia do cálculo da taxa de desemprego pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE. Em entrevista, ele disse que se trata se uma “farsa” – veja aqui.

Já é ruim que Bolsonaro não saiba como a taxa de desemprego é calculada. Mas é um erro comum entre leigos em economia, e podemos perdoá-lo.

Como a taxa de desemprego é calculada?

No Brasil, como em praticamente todos os países do mundo, desempregado é quem não tem e está procurando emprego. A taxa de desemprego é obtida dividindo-se o número de desempregados pela força de trabalho, que é composta por todos que têm emprego ou que não têm, mas estão procurando.

Mas o aspecto pior das declarações do presidente eleito é ele demonstrar desconfiança da instituição de Estado que calcula a taxa de desemprego, o IBGE. Quem calcula as estatísticas econômicas deve ser neutro e protegido de qualquer pressão política, pois apenas informações corretas sobre a realidade vão ajudar governo e governados a tomar decisões corretas. Quando o presidente critica as estatísticas, está politizando uma função vital do funcionamento do Estado, o que sempre representa perigo.

Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?, clique aqui e assine a nossa Newsletter.

Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
E curta as nossas fotos no Instagram 🙂

Mais Postagens

VER TUDO

Receba nossas atualizações em primeira mão

Se você gosta do nosso conteúdo, inscreva-se e não perca nenhuma novidade.