Bitcoin: o que é e como funciona a 'moeda eletrônica'? | Por quê? - Economês em bom português
Login / Registrar
Anterior Próximo

Bitcoin: o que é e como funciona a ‘moeda eletrônica’?

por

14/06/2017-16:46 - Atualizado 15/06/2017 10:44

45962584 - color usb wires connected to the bitcoin. 3d scene.

“O bitcoin é o futuro”, “o bitcoin vai acabar com o dinheiro”, “o bitcoin isso, bitcoin aquilo”…

Quem nunca ouviu falar na famosa moeda eletrônica bitcoin? Ela vem ocupando espaço nos noticiários desde que se tornou popular e conquistou ardentes entusiastas. É utilizada como moeda online em transações comuns e na Deep Web, a zona obscura onde ocorrem atividades ilegais (como tráfico de drogas) da internet. Mas o que a maioria do público não sabe é como funciona exatamente a moedinha virtual.

Mês passado, o bitcoin atingiu um marco histórico: o valor de uma moeda ultrapassou os 2 mil dólares. A alta continuou e em dias recentes, bateu 3 mil dólares por um breve período de tempo e agora negocia na casa dos US$2700. No Brasil, uma moedinha vale, hoje, em torno de R$9500.

bitcoin100%

Gráfico do preço do bitcoin desde o começo de 2017. Ela saiu de aproximadamente US$950 no dia 1 de janeiro para atingir a marca dos incríveis U$2000 no dia 19 de maio, atingindo U$3000 brevemente em 11 de junho e continua em alta até o dia dessa postagem.

O que o bitcoin tem de diferente?

Bom, vamos descrever algumas características dos bitcoins.

1. Eles são totalmente eletrônicos. Isso quer dizer que você nunca – nunca – vai ter a oportunidade de segurar um bitcoin nas mãos ou sacá-lo em um banco. Eles existem dentro de uma “carteira virtual” (como sua conta online em um banco comum) que só pode ser acessada pela internet. Existem softwares de diversas empresas para montar essas carteiras virtuais. A carteira não pode ser rastreada (se você tomar os devidos cuidados de segurança), o que significa que, se você esquecer a senha, nunca mais conseguirá acessá-la e perderá tudo que está lá dentro.

bitcoin 2

(Exemplo de uma carteira de bitcoin no celular.)

2. Eles funcionam com um registro blockchain. Uma das principais inovações do bitcoin é a maneira como as transações são executadas. Elas seguem um modelo chamado blockchain, no qual cada ordem de transação passa pelo computador de vários usuários e é “certificada” nesses computadores através de códigos de computação. Várias transações são então agrupadas e são adicionadas a um “bloco”, que será adicionado a blockchain e então as transações serão efetuadas (em breve retomamos esse ponto). A ideia é que se forme uma sequência de “blocos”, conectados de tal forma que seja impossível alterar um deles sem ter que alterar todos os blocos passados. Formalmente, o processo ocorre pela resolução de um problema matemático. O blockchain não é exclusivo dos bitcoins, pode ser utilizado para qualquer sequência de transações. Algumas características da tecnologia blockchain:

i) O registro é distribuído de maneira a ser compartilhado por todos os usuários sem que ninguém controle todas as informações. Todos têm acesso a todas as transações que acontecem. Quer ver? Acesse https://blockchain.info/, clique em um “bloco” e veja todas as transações que ocorreram naquele bloco.

ii) A transmissão é feita diretamente entre as partes, sem precisar de um operador central. Dessa forma, cada usuário encaminha as informações para outros usuários.

iii) Toda transação que é registrada no blockchain não pode ser alterada, pois elas estão conectadas às transações que vieram antes delas – por isso a palavra “chain”, que significa corrente. Vários algoritmos computacionais garantem que os registros sejam permanentes e cronológicos – de forma que, ao remover uma transação do sistema, todas as outras seriam invalidadas. Uma nota vale aqui: “imutabilidade” é um conceito relativo. Se você enviar um e-mail para uma lista de 30 amigos e depois quiser apagar os conteúdos, provavelmente não irá conseguir – você terá que convencer 30 pessoas a apagar o e-mail. Ou seja, em termos relativos, aquele conteúdo é imutável para você. Imutabilidade, portanto, se refere ao nível de dificuldade para a alteração de determinado conteúdo. No caso do blockchain, executado nas redes de bitcoin, a alteração é bem difícil, custosa e trabalhosa, de maneira que o registro é virtualmente imutável.

3. As transações são anônimas, porém transparentes. Isso parece contraditório, certo? A questão é que todas as transações de um blockchain têm um “endereço” (ou “chave”), como por exemplo, “3J98t1WpEZ73CNmQviecrnyiWrnqRhWNLy”. Sim, essa sequência feia de números e letras é um endereço. Para receber ou enviar uma quantidade de bitcoins, você precisa passar seu endereço para outra pessoa, então ele funciona exatamente como um endereço funcionaria se você estivesse mandando uma carta pelo correio, por exemplo. A diferença é que esses endereços têm a intenção de nunca serem repetidos. É como se você tivesse várias casas para receber várias entregas diferentes. Todas as transações executadas são marcadas na rede – então se você sabe o endereço de uma pessoa e ela só usa o mesmo endereço, você tem acesso a todas as transações dela.

Como as transações são anônimas então? É o seguinte: pela tecnologia do blockchain, todas as transações que passam pelo seu computador deixam uma marca, chamada de “nó”. Então, seu endereço de IP (não confundir com o “endereço” do bitcoin) carrega uma “marca” de todas as transações que passaram por ele. Assim, é como se você fosse a fonte de todas as transações que passaram pelo seu computador, mas, na verdade, você não é. Então como saber se o endereço que passou pelo seu computador é realmente um endereço de uma transação sua? Isso é impossível [1] – e é daí que vem o anonimato nos bitcoins.

Isso quer dizer que os pagamentos por bitcoins não têm restituição. Não há um banco ou uma empresa de cartão de crédito que possa sustar a transação. Se você pagar alguém e depois voltar atrás, não há como receber o dinheiro de volta, a não ser que a pessoa seja de confiança o bastante para aceitar desfazer a transação.

4. Como são criados novos bitcoins? O processo de criação de novos bitcoins é chamado de “mineração”. Funciona assim: a cada poucos minutos, as transações pendentes na rede são verificadas pelos mineradores e agregadas em um bloco, que então é transformado em um algoritmo matemático. Aí, esses mineradores usam computadores de alta performance para resolver esse algoritmo. Por convenção, a primeira transação de cada novo bloco da blockchain é uma transação especial, realizada pelo minerador cujo computador consiga primeiro solucionar o algoritmo. Esse minerador recebe um número de bitcoins pelo seu serviço, além de uma taxa para cada transação que ocorra no bloco que ele “criou” (na verdade, cujo algoritmo solucionou).
Isso gera um incentivo para que várias pessoas minerem bitcoins, pois elas ganham uma quantia de bitcoins ao fazer isso, o que permite que novas emissões da moeda sejam possíveis sem uma autoridade monetária central (por exemplo, quem emite novos reais no Brasil é o Banco Central). Além disso, o fato de o processamento das transações ser feito pela própria “mineração” agrega segurança ao sistema e põe os incentivos no lugar, o que veremos no próximo ponto.

Quer ver? Acesse https://blockchain.info/ e veja todos os blocos que foram recentemente descobertos pelos mineradores de bitcoins.

5. Alterar, fraudar ou invadir o blockchain é virtualmente impossível. A partir do momento em que você realiza uma transação com o bitcoin, como já dissemos, essa transação se torna pública para toda a rede, além de haver uma ordem clara do timing de cada transação. Dessa forma, o sistema consegue verificar se aqueles bitcoins já foram utilizados ou não, garantindo que não seja possível a ocorrência de fraudes (dupla contagem). Essa é uma das características mais interessantes do bitcoin: normalmente, para evitar tal fraude, é necessária uma autoridade central pela qual todas as transações devem passar, de modo a garantir que não ocorram fraudes. Com o bitcoin, essa autoridade central não é mais necessária.

6. O sistema de incentivos é bem posicionado. A única maneira de ocorrer uma fraude é caso alguém possua poder computacional bastante (normalmente, diz-se que seria necessário possuir a maioria, ou 50%+1, do poder de computação da rede). Se isso ocorrer, é possível alterar o blockchain e fraudar operações. Mas, ao mesmo tempo, quem tem um poder computacional tão grande é favorecido no processo de “mineração”, por ter mais capacidade de solucionar o algoritmo. Assim, por que você iria fraudar o sistema, se pode jogar pelas regras do jogo e ainda assim ter um alto ganho?

De um lado temos os incentivos, que ajudam a tornar ações de fraude menos proveitosas; de outro, é praticamente impossível agregar tamanho poder computacional. Segundo reportagem da The Economist, os mineradores de bitcoin, juntos, possuem 13 mil vezes mais poder de cálculos numéricos do que os 500 maiores supercomputadores do mundo.

Há fraquezas, claro. A mesma reportagem afirma que um agrupamento de mineradores (que se juntam para resolver os algoritmos mais rápido, dividindo os ganhos) chegou perto de ter o limite necessário, antes que os mineradores desse agrupamento percebessem isso e voluntariamente trocassem de união (o que de fato ocorreu). Outro problema é que, conforme mais mineradores entram na rede e obtêm maior poder computacional, mais difícil se torna minerar e menores são os ganhos. Alguns temem que, se os ganhos diminuírem muito, certos mineradores vão desligar seus equipamentos (pois a eletricidade ficará mais cara que os ganhos com a mineração), podendo deixar o sistema vulnerável a quem possuir muito poder computacional.

A fim de se prevenir contra essa possibilidade, os criadores do bitcoin criaram uma “taxa de transação”: os mineradores que resolvem os algoritmos de um conjunto de transações (criando assim um novo bloco da blockchain) recebem taxas pelas transações efetuadas nesse bloco. Assim, na hipótese de o sistema se tornar grande o bastante, o ganho com as taxas transacionais passa a ser um incentivo importante na prevenção de fraudes.

7. O que impede o bitcoin de crescer ainda mais? Os recentes ataques de ransomware travaram os computadores de milhares de pessoas e organizações em todo o mundo. Em troca da liberação das máquinas, os “sequestradores” pediram um resgate… em bitcoins! O que ficou claro é uma das maiores limitações do bitcoin: nem todo mundo tem saco para abrir uma carteira virtual, entender como eles funcionam e passar a utilizá-los. Em economês, dizemos que usar bitcoins tem um custo muito alto, o que desincentiva a utilização da moeda.

Por outro lado, alguns problemas no próprio funcionamento do bitcoin impõem questionamentos à expansão da moeda. Um deles tem a ver com problemas no blockchain. Hoje, os blocos que processam as transações na moeda têm um limite de tamanho de 1 MB (entre em https://blockchain.info/pt/blocks e veja a coluna “tamanho”; quase todos os blocos tem quase 1MB). Essa limitação gera problemas, pode não aguentar a demanda por transações. O que acontece, nesse caso, é que as transações atrasam e o sistema inteiro é prejudicado. Duas soluções são propostas para esse problema: o Segwit e uma versão alternativa do bitcoin, o Bitcoin Ultimate. Ambas propõem maneiras de lidar com blocos maiores (leia mais sobre isso aqui).
As modificações que visam aprimorar o funcionamento da moeda digital esbarram em questionamentos sobre a possibilidade de uma centralização demasiada da rede de mineradores. Isso tornaria o bitcoin vulnerável a possíveis problemas como fraudes. Afinal, o propósito inicial é um sistema descentralizado e esse é um pilar importantíssimo da criptomoeda.
Além disso, o crescimento das altcoins, moedas digitais alternativas, pode por em xeque a dominância do bitcoin no mercado. Exemplos são a Litecoin e o Ethereum (leia mais sobre elas aqui e aqui, respectivamente).

Fato inegável é que a tecnologia blockchain e a ideia de uma moeda estabelecida por uma rede descentralizada, sem a necessidade de um fiador de confiança (um intermediário financeiro), são duas inovações que têm potencial para revolucionar a economia mundial.

[1] Tecnicamente, há alguns bugs que tornam possível a identificação, mas é um tópico muito mais complexo e bem difícil de acontecer.

Siga a nossa página no Face!