Cortar impostos faz o desemprego cair?

Por em 19 de outubro de 2018

Os sinais que ouvimos das campanhas presidenciais não são promissores. O último zumbido aterrador veio da campanha de Jair Bolsonaro, que propõe uma “desoneração urgente” de todos os encargos que incidem sobre a folha de pagamentos das empresas – veja mais aqui. Em outras palavras,  ele propõe cortar impostos.

A ideia é que com menos impostos incidindo sobre a folha de pagamentos, as empresas seriam mais propensas a contratar, reduzindo-se assim o desemprego.

Até faz sentido, mas por que então outros governos não tiveram essa ideia antes?

É uma tal de aritmética, aquela malvada.

O governo, seja de direita, centro ou esquerda, sempre tem a mesma restrição: precisa arrecadar para pagar suas despesas, e se não arrecada suficientemente  precisa tomar dinheiro emprestado.

Pois bem, cortar impostos parece tão gostoso e unânime quanto doce de leite. Quero mais dos dois!

Mas cortar impostos não funciona se o corte não é acompanhado de uma redução equivalente dos gastos públicos ou um aumento de outro imposto para compensar.

A desoneração proposta é ainda mais temerária se levarmos em conta que o governo brasileiro já gasta substancialmente mais do que arrecada, precisando assim se endividar mais e mais a cada segundo que respiramos.

Também sabemos que a desoneração não é um instrumento efetivo para  reduzir o desemprego. Afinal, foi tentada pelo governo da Dilma Rousseff e parece ter apenas conseguido aumentar o endividamento público.

Que boa nova,  reciclar ideias do governo Dilma…

Será que nunca seremos governados por adultos?

 

Para ficar por dentro do que rola no Por Quê?, clique aqui e assine a nossa Newsletter.

Siga a gente no Facebook e Twitter!
Inscreva-se no nosso canal no YouTube!
E curta as nossas fotos no Instagram 🙂

Mais Postagens

VER TUDO

Receba nossas atualizações em primeira mão

Se você gosta do nosso conteúdo, inscreva-se e não perca nenhuma novidade.