Por que falta tanto troco no Brasil?

Por em 8 de abril de 2019

Este texto não tem a pretensão de desvendar o mistério da falta de troco, mas apenas levanta potenciais suspeitos. Vamos falar de  um suspeito em particular: o custo de produção do dinheiro.

Não é segredo para ninguém: é duro arranjar troco no Brasil. Se você tenta pagar alguma coisa em dinheiro, principalmente se os valores são “quebrados”, comerciantes recorrerão a gambiarras como arredondamentos ou troco em mercadorias (balas, chicletes etc.).

Com o avanço das compras com cartão de crédito e débito (e logo, logo com celulares), esse problema está se tornando cada vez menor. Mas há ainda várias transações que funcionam na base do dinheiro vivo – como as das feiras livres.

Certa vez um feirante me disse que pagava para ter dinheiro em moedas ou notas de baixa denominação. Para cada R$ 100, ele recebia R$ 96 em moedas de R$ 1. Isso dá uma ideia do problema de escassez de moedas no mercado.

Uma explicação para esse fenômeno seria que produzir moedas é mais caro que produzir cédulas. O governo optaria, portanto, por privilegiar cédulas, provocando falta de moedas. Em certa medida isso faz sentido, dado que é preciso metal para produzir moedas. Mas a produção de cédulas envolve papel especial e tecnologia específica para prevenir falsificações, o que certamente não é barato.

O Banco Central disponibiliza informações sobre o custo de produzir dinheiro no Brasil.  Veja no gráfico abaixo. Moedas são mais caras, mas a diferença não é tão grande assim. Por exemplo, produzir uma moeda de 5 centavos custa quase o mesmo que produzir uma nota de 100 reais.

 

Só que a produção de dinheiro gera receita para o governo – a chamada senhoriagem. Com o dinheiro novo, ele pode financiar parte dos seus gastos.  Quanto maior o valor da nota/moeda, maior a receita de senhoriagem que o governo levanta quando a produz.

Note, no gráfico, que o custo de produzir moedas de 5, 10 e 25 centavos é maior que próprio valor delas. Por exemplo, o custo para produzir uma moeda de 5 centavos corresponde a cerca de 6 vezes o valor da moeda. O governo perde dinheiro com essas denominações mais baixas.

Para ter uma ideia dos ônus e bônus para o governo, calculamos a razão entre custo de produção e valor da moeda/cédula, da mesma forma que realizamos acima para a moeda de 5 centavos. Quanto mais alta a razão, menor o retorno de produzir a moeda/cédula para o governo.

Note que, para as moedas, essa razão é bem mais elevada. Ou seja, compensa produzir notas – e quanto maiores as notas, maior o retorno de gerá-las.

Essa, logicamente, não é a única explicação. Se fosse o único canal relevante, o governo imprimiria apenas notas de 100 reais – e provavelmente lançaria notas de 200, 500, 1000… Cédulas de 20 reais, por exemplo, são mais importantes para fazer trocas corriqueiras do que as de 100 reais. O governo reage a isso, produzindo notas menores.

Entretanto, os dados ilustram que o custo de produzir dinheiro de baixa denominação (em que se encaixam as moedas) tende a ser bastante elevado na comparação com a receita que ele traz para o governo. Isso poderia explicar a baixa propensão do governo a introduzir mais moedas no mercado e a consequente falta crônica de troco que observamos por aí.

Você pode estar se perguntando: isso não é verdade para outros países, em que o problema de troco não é tão agudo? Vamos comparar o Brasil com os Estados Unidos nessa mesma dimensão. Lá, o governo também perde dinheiro para produzir moedas menores, mas a diferença não é tão grande quanto aqui. O custo de produção de uma moeda de 5 centavos de dólar, por exemplo, corresponde a 1,12 vezes o seu valor (no Brasil, como vimos, é mais de 6 vezes). Algo similar pode ser visto nas moedas de 10 e 25 centavos, como se pode conferir no gráfico a seguir, que mostra a razão entre custo e valor das moedas aqui e nos Estados Unidos.

Cédulas de dólar são também mais baratas que as de real. Entretanto, como proporção do valor da nota, as diferenças entre Brasil e Estados Unidos não são tão elevadas como no caso das moedas. Ou seja, a desvantagem de produzir moedas é muito maior por aqui. Dados para os Estados Unidos podem ser encontrados aqui e aqui.

Claro, há outros suspeitos para a falta de troco por essas bandas. Uma explicação alternativa tem a ver com a elevada taxa de juro nominal no Brasil. Nessa situação, segurar dinheiro vivo é particularmente custoso – ele não rende juros e ainda tem seu poder de compra corroído pela inflação. O dinheiro “queima” nas mãos de consumidores e empresas.

Assim, os agentes têm pouco incentivo a segurar dinheiro. Levam rapidamente recursos ao banco e depositam. Só que bancos precisam reter uma parcela grande desses recursos que recebem, por causa do depósito compulsório (fração dos depósitos que o Banco Central obriga os bancos a não utilizarem para empréstimo), que é bem alto por aqui. Isso incluiria moedas, reduzindo a disponibilidade de troco no mercado.

Mas os juros caíram fortemente nos últimos anos. Dá para esperar que esse mecanismo se torne cada vez mais fraco, à medida que a taxa de juros se consolide nesse patamar mais baixo.

Bom, como dito no texto, essas são especulações. O que você acha? Faz sentido?  Alguma explicação alternativa?

***

Você já deve ter visto a máquina abaixo. Você coloca 1 ou 2 reais, e ela lhe dá uma bolinha. Aceita somente moedas de R$ 1. Crianças amam esse negócio.

Imagino que a geringonça seja extremamente lucrativa. Primeiro, você paga 1 ou 2 reais por uma mísera bolinha. Segundo, você entrega moedas para quem quer que seja o dono da máquina – moedas que são valiosas por essas bandas, em que o troco é tão escasso. Afinal, como já vimos, 100 reais em moedas valem mais do que 100 reais em notas maiores.

Mais Postagens

VER TUDO

Receba nossas atualizações em primeira mão

Se você gosta do nosso conteúdo, inscreva-se e não perca nenhuma novidade.